MENU
dossiê promocional
especial MBA & Pós-Graduações | Opinião

Da cadeia de produção à cadeia de impacto

Ana Pinto Borges, coordenadora do MBA Executivo do ISAG – European Business School





H á muito que as empresas mais desenvolvidas nos processos de gestão deixaram de ver a sua organização como uma simples cadeia de produção padronizada nos meios ou estagnada nos fins, isto é, nos resultados.

Assistimos a um dinamismo crescente nas empresas, das quais já não se espera somente que concretizem um produto ou um serviço. Espera-se, sim, que atuem de forma disruptiva e multifacetada, com capacidade de adaptação reativa às exigências constantes do mercado e de criação proativa de respostas inovadoras.

Estamos perante o ambicioso desafio de acrescentar valor a todo o ecossistema empresarial que rodeia determinada organização. Torna-se, portanto, imprescindível que as empresas avaliem de forma estratégica o impacto que podem gerar.

Cada vez mais têm de procurar respostas sobre o real valor que representam para os clientes, sobre a forma como favorecem as comunidades em que se inserem, sobre o impacto que têm no ambiente, na sociedade ou na economia e ainda sobre a influência que exercem no seu sector junto de parceiros ou concorrentes. No fundo, exige-se uma avaliação global da imagem, mensagem e “pegada” que a organização pretende criar.

Perceber a importância do impacto gerado para lá das vendas é muitas vezes um caminho progressivo, que obriga até a uma adaptação de mindset, nomeadamente dos líderes. Uma forma de promover ativamente essa adaptação prende-se com a formação contínua dos profissionais – do topo à base.

A formação superior de nível executivo proporciona uma visão abrangente do mercado e das práticas empresariais mais avançadas, levando à identificação de oportunidades de valorização do negócio. Além disso, formações como um MBA transmitem conhecimentos e competências de gestão fundamentais para que os líderes empresariais possam atuar de forma estratégica e direcionada para a inovação.

Um MBA contribui ainda para um trabalho de competências humanas, como a liderança, gestão de talento ou comunicação, que moldam de forma muito positiva a visão de cada profissional sobre o impacto que pode ter na sua organização e no mercado. Geram-se, através da aquisição de competências, novas cadeias de valor.